Meu agressor M

Há 2 meses passei por algo (que até então eu achava ser abandono) e pesquisando sobre relacionamentos na internet, encontrei sobre relacionamentos abusivos e posteriormente entrei em contato com depoimentos de outras mulheres. Então resolvi escrever sobre mim. Vou me referir ao meu amigo secreto como M.

Conheci M há um ano atrás através de uma amiga. Ele se mostrou super simpático, começamos a conversar e no fim, ficamos e logo ele foi embora. Até então, pensava que era ficada de apenas uma noite ~uma pena não ter sido~. Em menos de 20 dias, já estávamos namorando, eu já conhecia seus familiares/amigos e ele já me prometia muitas coisas, inclusive uma vida feliz e confortável ao lado dele. M me dizia que havia se apegado muito rápido a mim e que só havia se sentido assim com outra garota. Ele era simpático, amoroso, amigo, atencioso, me colocava nas alturas, era um príncipe.

Com 2 meses de namoro, as coisas mudaram. M não já não falava mais frequentemente comigo, mal me beijava e preferia estar com qualquer pessoa no mundo, menos comigo. Quando eu estava com ele, sempre via que usava papel de parede de outras mulheres, as quais ele dizia serem amigas, no celular. Meu namorado começou a sumir. Falava comigo num dia e sumia por 5 e com um tempo, os dias passavam a ser 2 ou 3 semanas. Fui me tornando excluída, e pior, não conseguia conversar com ele porque ele sempre me interrompia dizendo que eu era paranóica, que não confiava nele e que aquilo já estava o cansando.

Resolvi me calar, pois naquele ponto achava que o amava e não queria perdê-lo. Com 4 meses de namoro, veio o primeiro término, o motivo: tentei conversar com ele, porque ele me via com pouca frequência, sempre priorizando outras coisas, além disso, já não me respondia pelo WhatsApp e por vezes me deixou finais de semana a espera dele.

Ficamos separados por 1 mês e após isso, ele me procurou e disse que me amava e que eu era a única coisa que ele tinha na vida mas as minhas desconfianças o desanimava. E além das minhas desconfianças, ele também reclamava do fato de eu desabafar com a minha melhor amiga, sobre os sumiços e sobre a ignorância com a qual ele sempre me tratava quando eu tentava conversar. Minha amiga por sua vez, tentava me aconselhar e passou a ser contra o namoro. Resultado: deixei de falar com a minha amiga sobre meu relacionamento e me afastei.

Quando voltamos, após um mês separados, M estava se relacionando com outra moça, e chegou inclusive a me apresentá-la. Ele a tratava muito melhor do que a mim, o celular dele era infestado de fotos dela mas não se encontrava nenhuma foto minha. Quando descobri a traição, percebi que não era só com ela que eu era traída e que haviam várias outras mulheres. Cheguei a encontrar fotos minhas ~não consentidas~ que ele tirava e mandava pra sua “amiga”, enquanto fazíamos sexo, dizendo que preferia que ela estivesse ali e não eu.

Encontrei várias conversas, onde o meu amigo secreto fazia “sexo virtual” com outras mulheres, enquanto usava uma foto minha (junto com ele) em seu perfil, no WhatsApp. Joguei todas as conversas na cara dele e sabe qual foi a resposta? Isso é tudo coisa da sua cabeça, não tenho nada com ninguém, não aguento mais essas suas frescuras e paranoias. Terminei o namoro e pensei que dessa vez seria definitivo.. até ele me procurar duas semanas depois e se mostrar a pessoas mais amorosa do mundo, que só me queria de volta.

Esse pesadelo se seguiu por mais 4 ou 5 meses: M sumia, voltava como se não houvesse nada e não permitia que eu reclamasse, porque era tudo paranóia da minha cabeça, ele só sumia porque estava com problemas e sem tempo pra mim. O maior problema é que o nível dos abusos aumentaram – o M começou a reclamar dos amigos (homens) com quem eu conversava e sempre dizia que eu estava louca pra “dar” pra eles, pois aquilo jamais seria só amizade (ele dizia isso embora não tivesse nada de acusador nas minhas conversas ou no meu modo de agir).

Ele sumia mas eu sempre tinha de estar disponível pra atendê-lo quando ele voltasse, pois se não atendesse ou sequer demorasse, ele me acusava de estar traindo ele. Quando estávamos entre os amigos dele e qualquer um me elogiava, ele sempre dizia que “se o amigo quisesse, ele estava vendendo o ágil”, sempre me xingava diante dos outros mas depois dizia que “era só brincadeira” e me tratava com todo amor do mundo.

Meu agressor me obrigou a ter relações sexuais com ele e com o amigo dele ao mesmo tempo, eu não senti nenhum tipo de prazer, só me sentia suja. E em outra situação, eu estava conversando amigavelmente com 3 amigos dele, na presença dele, e ele me puxou pra um canto e começou a me acusar: disse que eu estava louca pra dar e que era pra eu escolher 1 dos 3 porque eu não sair daquele lugar sem dar pra um deles. Por sorte, 2 amigos foram embora e o 3º desmaiou de tão bêbado.

Quantos mais o tempo passava, mais silenciada eu era. Ele ia pra festas ~sem mim~, conversava com outras mulheres, só respondia minhas mensagens após três ou quatro dias (quando respondia) e quando eu reclamava as reações eram: 1 semana sem falar comigo ou uma mensagem imensa pedindo pelo amor de Deus que não terminasse, pois ele me amava demais.

Por várias vezes cheguei na casa do meu agressor e vi objetos pessoais de outras mulheres lá. Mas quando eu tentava ao menos conversar amigavelmente sobre isso, a resposta era sempre a mesma: não aguento mais suas paranoias e logo após, passava uma semana sem falar comigo, pois eu tinha que mudar de atitude. E obviamente: eu não podia sair pra festas ou conversar com homens, porque se fizesse isso eu estava traindo ele ou querendo dar pra alguém. Afinal, eu era vadia e segundo ele, adorava trair (nunca o traí). Ele me obrigava a contar pra ele, durante o sexo, sobre as relações que eu tinha quando eu saia pra trai-lo (novamente falando: eu nunca o traí).

O fim dessa história foi mais deprimente que o namoro inteiro. Um dia, M me levou pra casa de um amigo, ajoelhou-se diante de mim e me pediu em casamento na frente de todos, logo em seguida, me levou pra casa dele pediu que eu o esperasse pois ele ia sair por uns minutos e já voltava ~ele só apareceu depois de horas~.

Eu fiquei na casa dele por uma semana, onde não tinha o que comer. Eu não tinha grana pra voltar pra casa (porque a grana que eu tinha, ele pegou), não tinha grana pra comer e pra piorar, tinha vergonha de pedir ajuda. O último dia que passei na casa dele foi um dos piores da minha vida: ele saiu de casa e disse que só ia atrás de algo pra eu comer e já voltava… Só voltou pra casa as 2 horas da manhã, não atendeu minhas ligações, não me respondeu pelo WhatsApp e quando perguntei aonde estava, ele explodiu.

Mandou que eu calasse a boca e não enchesse o saco dele com nada. Eu só me levantei e fui pra outro canto e ele foi atrás. Começou a me confrontar, apontou o dedo na minha cara e me disse coisas horríveis (disse que eu era irracional, que ele jamais esperou que eu fosse ficar do jeito que fiquei e EU, somente EU, estava forçando a barra quando ele nunca quis ter relacionamento comigo ~sim, era ele quem me procurava após todos os términos, ele me pediu em namoro, casamento se que eu nunca o pressionasse~) e que era pra eu sumir no dia seguinte.

Logo após a discussão, M tentou me obrigar a deitar com ele e quando recusei, ele saiu chutando tudo o que viu pela frente, quebrou uma tábua de passar roupa e esmurrou a parede. Em seguida disse que fez aquilo só pra não me bater porque eu o tirava do sério e saiu pra rua. Quando ele saiu, olhei o celular dele (por já estar desconfiada) e descobri mais traições ~uma delas ocorreu no dia em que ele me pediu em casamento e pouco depois me pediu pra esperar enquanto ele ia comprar algo~.

Perdi o controle e diante de tudo aquilo e quebrei o celular dele. Desfecho da história: sai da casa dele na manhã seguinte, escondida. Por sorte ele não me procurou, ainda, mas contou a todos os nossos amigos que eu era louca, que eu o havia agredido e quebrado seu celular sem ele ter feito nada. Nossos “amigos” se afastaram de mim (sim, eles ficaram ao lado do cara).

Há dois meses eu não durmo e quando consigo cochilar, sonho com o meu agressor (todos os dias!). Eu passei dias sem levantar da cama, eu pensava estar mesmo louca e paranóica. Cheguei a pensar em suicídio e não tem um só dia em que eu não relembre aquela madrugada, onde fui agredida verbalmente, psicologicamente, fui torturada (já que estava há mais de 15 horas acordada e sem comer) e ainda levei a culpa sem direito a me defender. Ou melhor, não tem um só dia em que eu não relembre que fui torturada psicologicamente por 1 ano, sem ter o direito a me defender e pior, sem conseguir me livrar do meu agressor.

Eu queria justiça, queria expor a situação e denunciá-lo mas tive medo de só piorar a situação e tive medo que ninguém acreditasse em mim, afinal, eu era louca e poderia estar inventando toda a história só pra me vingar já que ele me deixou.

Meu agressor destruiu a minha autoestima. Exaltava suas amigas pra me mostrar que qualquer mulher no mundo era muito melhor que eu. Ele sempre dizia que eu era uma fresca quando eu me recusava a fazer aquilo que ele queria. Tentou me inferiorizar dizendo que os meus sonhos eram sonhos de gente fresca.

Eu nunca tive razão dentro do meu relacionamento e tudo o que vivi, era coisa da minha cabeça, mera paranóia e frescura minha (isso segundo o meu agressor). Mas sobrevivi a um relacionamento abusivo e agradeço todos os dias por isso. Não sei se só eu passei por algo assim mas sei que não estou só.

Tags:,

Comentários