“Mulher decente”

[TW: Relacionamento abusivo/Estupro]

 

Eu conheci ele na festa da minha melhor amiga, super simpático, em nenhum momento foi invasivo… Viramos amigos, e ele respeitava e apoiava meu jeito, minhas escolhas. Ficamos, logo estávamos apaixonados e namorando, eu cega fui sendo privada de ser quem eu era aos poucos. Minhas roupas começaram a ser escolhidas por ele, meus amigos homens começaram a sumir, minhas amigas já não podiam andar comigo “porque dali pra frente eu tinha que ter postura de mulher comprometida” e não conseguia enxergar o que estava acontecendo. Deixei de ser a pessoa que ele conheceu, me tornei a mulher que ele desenhou, não podia sair de casa sem permissão, minhas roupas foram queimadas e rasgadas, substituídas por roupas de “mulher decente”. Meu batom vermelho foi jogado no lixo. Não podia ficar mais de 20 min com o meu irmão no telefone e muito menos dizer o que estava acontecendo. Porque pra ele meu irmão me desejava como mulher, assim como qualquer pessoa que passava na rua. Tinha como o meu maior desejo do mundo ser mãe e descobri que tenho alguns problemas de saúde que dificultam uma possível gravidez. Fui reduzida a pó. “MULHER É FEITA PRA REPRODUZIR E NEM ISSO VOCÊ PODE FAZER” ele gritava pela casa inteira. Consegui engravidar, mas descobri que era psicológico, uma decepção enorme pra mim, que estava me achando menos mulher. Novamente consegui engravidar, mas tive um aborto espontâneo. E ai foi o fim, ele começou a usar drogas, eu entrei em depressão, só sabia chorar e pedir pro universo que tudo aquilo acabasse, que eu só queria ser novamente  a mulher  independente que era antes de ter ele na minha vida. Ele então arrumou uma outra mulher, uma amiga minha, e colocou dentro da nossa casa e disse que teria um filho com ela, porque eu era “seca”. Eu tive uma infecção no útero e não podia transar, até porque sentia muitas dores, mas ele não quis saber e me forçava. Além da tortura psicológica, tive que passar pela física também.

Por conta da droga, ele ficou muito agressivo e eu vivia sob ameaça. Tentei me separar e ele jogou gasolina no meu corpo, no dele e disse que ia nos matar. Eu precisava dizer que amava ele e que não ia embora. Mais uma vez eu cedi, até que não aguentando, terminei e rezei muito pra que não tivesse que voltar atrás. Ele me ameaçou de morte e tive que passar meses fora de São Paulo pra que ele não me visse. Ele me achou em outra cidade e fez da minha vida um inferno, até que ele sumiu e a mãe dele disse que ele foi internado em uma clínica de reabilitação. Ele me ligou de lá e pediu perdão, disse que me amava e que queria voltar. Na hora não acreditei, gelei. Por muito tempo, não saía de casa sozinha e nem à noite, ainda hoje evito. Mas, voltei a ser a mulher que sempre fui, livre e com esse ensinamento:

 

 

Nenhum amor deve ser maior que o amor próprio.

 

Hoje, por me amar, não quero ninguém que me proíba, que ninguém mande no meus corpo e escolhas. Hoje, posso ser feliz por ser eu . Para as mulheres que passaram por algumas dessas situações, desejo força e coragem . Seja livre !

 

Tags:,

Comentários