14/11/2014 - Por Projetos

A Revolta da Lâmpada – 16 de novembro

Dia 14 de novembro de 2010, um grupo de pessoas foi agredido com lâmpadas fluorescentes – os três meninos estavam voltando da balada por volta das 6h da manhã, tranquilamente vivendo suas vidas quando . Eram indivíduos LGBT e também heterossexuais cis, mas a expressão de seus corpos foi percebida e categorizada pelos agressores como inadequada, e por isso foram fisicamente punidos.

Uma das vítimas relata: “Na hora em que eu olho, ele já acerta com a lâmpada no meu rosto. Na hora em que eu coloquei a mão no rosto, já estava saindo sangue. Ele vem com a segunda, e eu me defendo. Os outros começaram a rir. E eu já vou para cima. Ele ainda taca o restante da lâmpada que estava na mão dele”.

A polícia afirmou, na época, que o adolescente de 16 anos que acertou as lâmpadas em Luís gostava de propagar mensagens de ódio na internet. O inquérito revela uma frase atribuída a ele em um site de relacionamento: “um soco vale mais do que mil palavras”. O ataque foi claramente um crime de homofobia – eram dois meninos LGBT e outro heterossexual cis, mas, algo na expressão de seus corpos foi percebida e categorizada pelos agressores como inadequada, e por isso foram fisicamente punidos.

Quatro anos depois, ainda encontramos crimes desse tipo por aí – nos jornais ou nas ruas, continua-se atacando aqueles que são vistos como ‘errados’ – a lâmpada fluorescente virou um símbolo da opressão, não só para os LGBTs, mas a todos os corpos percebidos como inadequados pela nossa sociedade.

Foi assim que nasceu a Revolta da Lâmpada, derivada da nova parada LGBT organizada no RJ em 12 de outubro, com o mesmo modelo: descentralizada, desinstitucionalizada, coletiva, criativa, independente e com equilíbrio de protagonismo entre corpos.

Suas lutas reivindicações incluem a legalização do aborto, a criminalização da homofobia, capacitação e sensibilização continuada das polícias, a aprovação imediata da Lei de Identidade de Gênero Nacional (PL5002/13), incentivar a criação de um Mapa da Violência LGBT no Brasil para consulta pública, entre outras.

Você pode conferir toda a lista de pautas e o itinerário completo no evento da Revolta: https://www.facebook.com/events/313202068879711/?ref=br_tf

Essa edição vai acontecer esse domingo, em São Paulo, às 16h. Para quem quiser, nas palavras do evento “performar, tocar, agregar, arrasar”, é só entrar em contato com eles: arevoltadalampada@gmail.com

Você também pode fazer doações por aqui!

10153701_1469993313221234_7189447427873249144_n

Tags:, ,

Comentários