08/10/2014 - Por Reflexões

Cabelo curto não pode. Quem disse?

Desde que cortei meu cabelo bem curto, minha vida mudou em dois sentidos.

Senti mais leveza, menos calor, mais praticidade, mais liberdade, autenticidade e segurança (por não ligar para a opinião dos outros e fazer algo que já queria havia tempos). Também foi um amenizador de assédios muito bom. Para mim os resultados de cortar o cabelo foram ótimos, esse foi um dos sentidos.

cabelos-Xeron-

Já havia cortado uma vez, e por pressão deixei-o crescer. Embora acreditasse que cabelo não exerce influência sobre caráter ou sexualidade, eu não gostava de ouvir tão frequentemente que eu ficaria mais atrativa se tivesse cabelos longos. Pois bem, superei essa questão e fiquei super bem comigo mesma. Mas o efeito que causou nxs outrxs foi negativo, esse foi o outro sentido. Entre alguns comentários, ouvi os seguintes:

1. “Tirou a sua feminilidade.”

Como se as mulheres dependessem do cabelo para serem mulheres, como uma espécie de sansão, que perdem sua força sem o cabelo. Como se sua condição biológica, social e sensitiva fossem invalidadas porque os fios de seus cabelos não são longos.

2. “Não precisava, porque era ‘bom’.”

Falam que se seu cabelo está dentro dos padrões (relativamente liso e fino) é um desperdício cortar curto, na mesma lógica que um hétero diz que o fulanx ser homossexual é um desperdício. Não é, em nenhum dos casos. É simplesmente um modelo de cabelo. E outra coisa, por acaso outros tipos de cabelos precisam de todo jeito serem cortados? não é a vontade pessoal de cada um que dita isso?

3. “Vai demorar muito a crescer.”

Pode ser que demore a crescer, mas quem disse que eu não quero ou não devo manter curto? Vai demorar a crescer porque não quero ele grande, isso sim.

4. “Não vai poder fazer nenhum penteado.”

Como se esse modelo de cabelo não pudesse ser bonito, como se não existissem acessórios (como tiaras, faixas, chapéus, lenços, presilhas, etc.) e formas de embelezar o cabelo curto.

5. “Se fosse minha namorada eu não deixaria cortar.”

Como se o cabelo da mulher fosse propriedade do homem. Diga-me: a quem afeta o fato de uma mulher querer usar o cabelo curto, se não somente a ela? A opinião de um homem nessa questão não deveria ser a palavra final e tampouco majoritária, afinal o cabelo não é dele e nem está nele. E aos desavisadxs, sexo não precisa de puxão de cabelo para ser bom. Inclusive nisso a satisfação da dona do cabelo deve também ser considerada. A satisfação contribui mais para uma boa relação que puxar o cabelo.

Essa convenção de que mulher deve ter cabelos compridos nada mais é que uma construção social. Somos bombardeadxs através de publicidade, religião, moda e etc. que estimulam, pelo exemplo e por princípios, as mulheres a não exercerem autonomia sobre seus cabelos. Não é a toa que você quase nunca vê uma mulher de cabelo curto em comerciais na TV. Não estou dizendo que você não deve achar cabelos compridos bonitos, pelo contrário, a opinião é sua, e por isso deve valer para os seus próprios cabelos. Mas até que pontos estamos fora do inconsciente coletivo nessa questão? A nossa opinião é realmente própria ou é mais um reflexo do padrão da mulher ideal ao qual fomos orientados desde o nascimento?

É preciso entender também que ser sensual ou ter a aprovação do parceirx não precisa estar acima de agradar a si mesmo. Que uma mulher não precisa abrir mão de seu bem-estar para ser atraente. Até porque o objetivo principal dela não é agradar os homens (ou mulheres), não é ser atraente. O objetivo da mulher é, como qualquer ser humano, ter vontades próprias e ser feliz consigo mesma. Sendo assim, cortar e manter o cabelo curto é um grito de que sobre a sua aparência, a sua voz é mais importante. É um ato político contra a idealização irreal da mulher desejável, imposta pela mídia. É fincar uma bandeira dizendo que cabelo não define sua sexualidade, sensualidade e caráter. Quem acha o corte de seu cabelo um detalhe tão relevante a ponto de justificar distância, não merece sua companhia. Tamanho de cabelo não é justificativa para falar nenhum dos 5 pontos citados, perpetuando estereótipos limitadores. Afinal, já dizia o ditado:’Tamanho não é documento.’.


Se tiver ficado inspirada com o post e estiver com vontade de cortar o cabelo, confira algumas fotos de famosas que escolherem esse look: https://www.dropbox.com/s/r40s2t3w69f1n6b/victoria-beckham-cabelo-curto.jpg?dl=0

Tags:,

Comentários