Cansei de ser mulher

Cansei de ser mulher.

Cansei de ter que me defender e de ter que lutar simplesmente por me ser. Eu queria acordar e que toda a luta já tivesse passado.

Eu não seria subestimada por causa do sexo com o qual nasci, não seria prejulgada, não sofreria abuso, não sofreria violência, não teria meu salário e respeito reduzidos, não seria ameaçada, não seria objetificada, não seria coagida, não seria perseguida, não dependeria de outro para decidir se chego ou não em casa, não dependeria de outro para dizer se estou ou não certa, não dependeria de outro para dizer o que é válido ou não como sofrimento.

Eu estou cansada, eu acredito que sou uma dessas pessoas fortes que vão à luta por outras, mas dói.

Obrigada a todas que já escreveram por mim, obrigada a todas que já lutaram por mim, obrigada a todas que já se fizeram ouvir, denunciaram e tudo fizeram por mim. Para que hoje eu ao menos possa frequentar a universidade como os outros, para que eu tenha um emprego, como os outros, para que eu possa ocupar cargos de decisões sociopolíticas, como os outros. Para que eu seja mais como os outros.

Mas eu não sou os outros, eu sou uma mulher.

Eu não faço parte do grupo que não sofre simplesmente por sê-lo. Eu não faço parte do grupo que não se identifica como grupo, porque não tem nada disso a ele imposto por ser o que é. Se eu fosse os outros, não seria subestimado por causa do sexo com o qual nasci, não seria prejulgado, não sofreria abuso, não sofreria violência, não teria meu salário e respeito reduzidos, não seria ameaçado, não seria objetificado, não seria coagido, não seria perseguido, não dependeria de outro para decidir se chego ou não em casa, não dependeria de outro para dizer se estou ou não certo, não dependeria de outro para dizer o que é válido ou não como
sofrimento.

“Toma conta dela” diz um amigo meu a outro, antes de voltarmos para casa juntos. Algumas semanas antes, esse mesmo amigo me acompanhava para casa – ele fica na parada do transporte e eu ando até a porta da minha casa, alguns metros a frente, um outro cara vem, me segura pelo braço e me diz “não entra sozinha em casa, não quero que você durma sozinha, vem dormir comigo”. Não importa o quanto eu dissesse que não queria e tentasse me soltar, ele não me deixava sair e repetia as mesmas coisas. Até que meu amigo se aproxima, e esse cara me solta. Ele me solta porque o meu amigo é homem. Porque não importa o que eu dissesse sobre mim mesma, o meu amigo tinha mais propriedade e mais autoridade sobre mim do que eu. “Toma conta dela”, porque, no fim, se algum homem for fazer algo contra ela, outro homem precisa protegê-la. Porque, no fim, quem decide se eu sofro algo ou não são os outros.

“Vocês mulheres sempre acham que tem razão”, eu ouvi contra uma amiga há dois meses. O outro dizia que o país dela não era significante como país – ela é belga – e que em breve se desfazeria e faria parte de outros países. Ela dizia que não, que o país dela não passa por nenhum movimento separatista, e que o país dela é um país sim, mesmo que se falem muitas línguas. Ele diz: “Vocês mulheres sempre acham que tem razão”, e continua, em resumo, ele diz que não suporta que as mulheres achem que tem razão – porque, para os outros, eles que decidem quando a mulher tem ou não razão, e se elas acham que naquele momento tem, estão claramente enganadas porque elas não tem poder sobre isso.

“Você se sente ofendida com isso?”

“Se uma pessoa diz isso, ela é babaca, não tem porque se ofender, ele não está dizendo nada contra você em si, é só ignorar.”

Sim. É contra mim. É contra quem eu sou, e eu sou mulher. Não sou mulher porque eu escolhi ser, eu sou mulher porque a sociedade decidiu o que era ser mulher antes de eu nascer. A sociedade desenhou como as mulheres são tratadas simplesmente por serem mulheres, e sendo uma, eu não tenho como fugir disso, eu só tenho como lutar contra.

Se você não se identifica como grupo é porque você não é enquadrado, porque você não se vê receber danos infringidos à você simplesmente por ser homem.

Ninguém vai te impedir de entrar em casa por querer ter relações com você acima da sua vontade, ninguém vai te dizer que você está irrevogavelmente errado por causa do sexo com o qual você nasceu, ninguém vai te dizer para não se sentir ofendido quando ofenderem todas as pessoas como você – e você sofrer na pele as consequências disso. E todas as pessoas como você sofrerem na pele as consequências disso.

Eu cansei de ser mulher, porque eu cansei de ter que me provar, me justificar, me defender, de lutar por me ser. Eu só queria acordar e estar fora disso tudo, mas eu não tenho como. Eu só tenho como lutar contra.

E um dia ser mulher será apenas uma questão de nome. E não um rótulo que te persegue e descrimina pela vida toda. Que faz pessoas te perseguirem, descriminarem, desrespeitarem, desconsiderarem, objetificarem, abusarem, e coisas muito piores, pela vida toda.

error

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *