22/06/2014 - Por Reflexões

Grito de Liberdade ou Revanchismo?

Em época de copa é muito comum ler e ouvir comentários sobre atributos físicos dos jogadores. Fala-se sobre a bunda do Hulk, a barba de Xabi Alonso, a boca do Piqué, o tanquinho do Cristiano Ronaldo, etc. Em todo país, mulheres compartilham listas que definem qual é a seleção mais atraente do campeonato e elegem suas figurinhas preferidas do álbum da copa.

Em meio a esse turbilhão de fotos sem camisa e abdomens esculturais surge uma questão: nós, mulheres, estaríamos sendo hipócritas ao objetificar esses jogadores enquanto lutamos tanto pela não objetificação feminina?

No meu ponto de vista: não. Não se pode comparar os comentários sobre a beleza dos jogadores da copa com a objetificação feminina que é tão mais cruel e institucionalizada. Corpos de mulheres são usados para vender produtos que variam de automóveis a bebidas alcoólicas. A mídia de massa faz com que a beleza seja o baricentro das aspirações femininas. Meninas em todo o mundo sofrem com a irrefreável pressão de se encaixarem em padrões inatingíveis. Mulheres de poder sofrem avaliações diárias sobre assuntos absolutamente prosaicos – “notícias” sobre as pernas de Hilary Clinton e os peitos de Sarah Palin, por exemplo, inundam os meios de comunicação.

Pensamos em mulheres como seres de menos valor que devem ser, antes de tudo, bonitos. Essa lógica misógina faz com que, quando essas mulheres atingem cargos de influência, a sociedade parece querer “coloca-las em seu devido lugar” de objetos decorativos. Por isso a objetificação feminina é tão brutal e enraizada. E não pode ser comparada a hipersexualização masculina que vivenciam os jogadores dessa copa. Eles nunca serão vistos como menos humanos por terem um corpo invejável, ainda permanecerão protagonistas dos noticiários e jamais serão atacados na rua por usarem roupas consideradas muito curtas pela patrulha da moral e dos bons costumes.

Assim, por mais que eu compreenda o desconforto de alguns/algumas feministas com essa avaliação contínua dos atributos físicos desses jogadores não podemos comparar a especulação de qual figurinha é mais bonita com a cruel repressão que mulheres em todo mundo sofrem diariamente. Esses comentários sobre os tanquinhos alheios é um sussurro de liberdade para mulheres que há tanto tempo foram privadas de expressar seus desejos e sua sexualidade em público.


Ilustração feita por Ty Palmer.
Discussão inspirada no texto: Camila Magalhães.

Tags:, , ,

Comentários