Princesa não é uma carreira

A Indústria Cultural deteve de um papel muito importante na manutenção dos estereótipos femininos: a princesa que precisa ser salva pelo seu príncipe, a sonhadora que almeja acima de tudo se casar e a boa moça que faz de tudo por seu amor verdadeiro. No entanto, Cinderellas e Brancas de Neve já não se encaixam na realidade feminina atual.

Atualmente, a Disney, em resposta às críticas recebidas ao longo dos anos pela mensagem deixada às meninas, apresenta um movimento de reinvenção de suas princesas, na qual essas são retratadas como mulheres fortes, complexas, com diferentes aspirações do famoso final feliz, como Merida, Rapunzel, Elsa. Mas, por que elas devem ainda ser princesas?

Em 2012, a Disney lançou a campanha “I am a princess” que celebra as diferentes princesas existentes no mundo:

“Eu sou uma princesa. Às vezes sou valente, às vezes tenho medo. Às vezes eu sou corajosa, mesmo quando eu estou com medo. Eu acredito em lealdade e confiança. Eu acredito que a fidelidade é construída por meio confiança. Eu tento ser gentil. Eu tento ser generosa. Eu sou gentil, mesmo quando os outros não são tão generosos. Eu sou uma princesa. Eu acho importante lutar por mim. Mas lutar pelos outros é mais importante e ainda mais importante é lutar ao lado dos outros. Eu sou uma princesa. Eu acredito que a compaixão me faz forte. Eu acredito que a bondade é poder. E a família é o vínculo mais firme de todos. Ouvi dizer que eu sou bonita. Eu sei que eu sou forte. (Video Clipe de Tangled: “Eu prometo, e quando prometo algo, eu nunca quebrar essa promessa.”) Eu sou uma princesa, que eu possa reinar”.

Até confesso que acompanhei o casamento de Kate Middleton, acho que ela tem um guarda-roupa incrível e um filhinho super fofo, mas se tornar uma princesa não é uma meta realista ou mesmo digna para praticamente a totalidade de meninas. Se falamos de empoderamento das personagens femininas da Disney, por que não podemos retratá-las como meninas normais? Só princesas podem ser aspiracionais? Afinal, princesa não é uma carreira como mostram nesse episódio de Vila Sésamo:

EXTRA

Dois projetos bem bacanas:
1) Rejected Princess

2) Princesas em versões profanas

error

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *